Guia de Publicidade para Fisioterapeutas: Entenda as Regras do COFFITO

O número de fisioterapeutas registrados pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO) chegou a 243.644 mil no ano de 2018, em todo o Brasil.

Grande parte desses profissionais atua de forma autônoma, sem manter vínculo empregatício com hospitais ou clínicas especializadas em fisioterapia.

Pensando nisso, preparei esse artigo para você que trabalha de forma independente e tem o intuito de divulgar e oferecer seus serviços através da publicidade para gerar mais procura e atrair novos pacientes. 

Da mesma forma que os médicos precisam seguir o Manual de Publicidade Médica, os fisioterapeutas devem estar atentos às normas de sua profissão. Portanto, se tem dúvidas sobre as regras para anunciar, continue lendo esse conteúdo e fique por dentro das recomendações do COFFITO. Assim você não corre o risco de ferir o código de ética da sua profissão.

Capítulo 1

A Fisioterapia se desenvolveu

A fisioterapia passou muito tempo sendo uma área de suporte para médicos, trabalhando apenas na reabilitação motora de pessoas  debilitadas. 

Hoje em dia, no entanto, é uma profissão reconhecida que não só devolve ao indivíduo suas capacidades de coordenação como também trabalha na prevenção de patologias e fortalecimento do corpo. As clínicas ou profissionais especializados em Pilates e Reeducação Postural Global (RPG) são ótimos exemplos disto. 

Focando nesse fato fica ainda mais clara a importância de trabalhar corretamente a publicidade para divulgar suas atividades como fisioterapeuta. 

A área da saúde está sempre em evolução, e é natural que as necessidades das pessoas sejam causadoras dessas mudanças. Com isso entender o mercado e saber como divulgar seus serviços é fundamental.

Montar uma clínica de fisioterapia, um espaço de atendimento ou oferecer serviços domiciliares exige conhecimentos técnicos, mas também é importante entender como usar a publicidade para divulgar seus serviços. Quando você faz parte de um conselho, algumas regras são estabelecidas e, no caso dos fisioterapeutas, respeitar o código de ética do COFFITO é essencial para não sofrer nenhuma penalidade.

Então vamos conhecer as principais regras para seguir na hora de fazer a publicidade para seus serviços de fisioterapia!

Capítulo 2

Regras do Código de Ética Profissional

Algumas restrições são impostas, no entanto nada que impossibilite uma divulgação eficiente de seus serviços. 

Separei para você as normas determinadas pelo código de ética da fisioterapia quando o assunto é publicidade, vamos conhecê-las? 

1 – Informações obrigatórias

 A propaganda é a alma do negócio!” Tenho certeza que você já ouviu essa frase. Afinal, através da propaganda é possível anunciar com o intuito de educar ou gerar interesse.

Em outros meios é comum textos muito criativos e interessantes mas, para divulgar os serviços de fisioterapia, seja em formato eletrônico, placa ou impresso, a publicidade deve conter alguns detalhes a mais, como o nome do profissional, sua profissão e o número de inscrição no Conselho Regional, podendo ainda informar:

  • Títulos de Especialização, caso tenha;
  • Endereço; 
  • Telefone; 
  • Email; 
  • Horário de Atendimento; 
  • Convênios e Credenciamentos;
  • Instalações;
  • Equipamentos;
  • Métodos de tratamento;
  • Logotipo próprio e também de entidades da qual faça parte; 

Vale ressaltar que dos itens citados acima apenas o nome, profissão e registro são obrigatórios. O restante é facultativo.

2 – Propaganda Coletiva

Toda pessoa em início de carreira passa por inúmeros lugares até que consiga realizar o sonho de se estabelecer em um local confortável e que lhe proporcione alegria e rentabilidade.

É comum que durante o percurso o profissional de fisioterapia trabalhe em clínicas que ofereçam além dos serviços fisioterapêuticos outros tratamentos, com outros profissionais. Nesses casos é permitido que o profissional divulgue seu trabalho em campanhas de publicidade onde todos estejam participando. Ou seja, nessa circunstância específica o fisioterpeuta pode participar de propaganda coletiva, em outras situações não!

3 – Anúncio em site de compra coletiva

Hoje em dia é comum encontrar diversas ofertas em aplicativos de compra coletiva. Dessa forma, vários serviços saem com preço promocional muito abaixo do mercado, atraindo pessoas e aumentando a rotatividade e lucratividade do negócio. Porém, para os profissionais de fisioterapia, esse recurso não é autorizada.

A prática fere o código de ética, já que antes de iniciar o acompanhamento com o fisioteraêuta é necessário ser realizada uma avaliação presencial, a fim de definir qual o tratamento adequado para reabilitação ou desenvolvimento do paciente. Então, para ficar claro, não é permitido oferecer serviços fisioterapêuticos em sites de compra coletiva

4 – Placa de Identificação

Todos temos a necessidade de mostrar algo de bom que estamos fazendo. Isso é natural, ainda mais hoje em dia com a possibilidade de pôr tudo nas redes sociais. Imagine para um profissional que conseguiu enfim montar seu espaço de trabalho! A intenção é que todos saibam que ele oferece seus serviços naquele local.

Certamente, de imediato ele irá pensar em diferentes maneiras criativas e chamativas para expor seu estabelecimento. Porém, seguindo as recomendações do código de ética, é indicado que apenas uma placa externa, iluminada ou não, seja colocada no consultório ou residência do profissional para evidenciar o local. Então fique atento na hora de escolher como marcar presença!

5 – Símbolos e logotipos

Usar símbolos, logotipos, imagens, desenhos ou expressões vulgares que comprometam o prestígio e o conceito da profissão é proibido. Parece uma informação óbvia, mas é importante ficar alerta na hora de escolher sua identidade visual.

O não cumprimento das normas pode incorrer em penalidades que comprometem o exercício da profissão. Contratar profissionais qualificados e que entendem do assunto é a forma ideal de evitar problemas graves, além de possibilitar uma imagem mais séria e qualificada para seu negócio. 

6 – Fotos de Antes e Depois

É muito comum encontrar em consultórios ou nas redes sociais de alguns profissionais de saúde imagens que demonstrem o estado do paciente antes do tratamento e os resultados atingidos após a conclusão do mesmo.

São diversos os casos onde profissionais utilizam essa estratégia para realizar a publicidade de seus trabalhos e provar que os resultados são reais.

No entanto, o código de ética dos fisioterapeutas é bem claro e não permite divulgar material ou expor em anúncios e local de trabalho textos de agradecimento, imagens de antes e depois e fotos de pacientes e familiares com a intenção de realizar promoção profissional, mesmo que não revele o nome do paciente ou qualquer outra forma de identificação.

Preservar a privacidade e integridade do paciente é dever de todo profissional de saúde, sendo assim essas práticas são altamente condenadas. 

7 – Títulos Genéricos

Em algumas situações é comum encontrar profissionais que usam denominações da moda para designar suas habilidades, mas é importante observar se essas nomenclaturas estão de acordo com os regulamentos da sua profissão.

Na fisioterapia não é permitido utilizar títulos genéricos que não estejam alinhados e aprovados pelo COFFITO, ou seja, substituir a titulação de fisioterapeuta por outros nomes como rpgista, terapeuta corporal, pilatista, etc.

8 – Valores dos Serviços

Campanhas publicitárias sempre expõe valores para divulgar alguma promoção, é uma prática comum no mundo dos negócios. No entanto, para os profissionais de fisioterapia essa atitude é vedada.

O código de ética da profissão proíbe fixar fora de seu local de trabalho tabelas de valores relativos aos seus serviços. Fique atento a esse detalhe, como venho falando, divulgar de forma incorreta pode acarretar multas e punições. Por mais que essa prática seja funcional, não deve ser utilizada por você. 

 9 – Propaganda enganosa

Essa é uma prática condenável em qualquer área. Sabemos que oferecer uma solução ineficaz, seja ela em forma de alívio de dores, cura ou até mesmo um produto com propriedades milagrosas é algo que não está correto.

Além de ser uma prática criminosa é algo que prejudica a imagem do profissional, pois ele sempre será lembrado por gerar uma falsa expectativa em torno de algo que não é real, e sabemos que na área da saúde a confiança é fundamental.

O código de ética dos fisioterapeutas deixa bem claro que oferecer e divulgar serviços infalíveis ou que não possuem comprovações científicas é antiético e, como já disse, é crime!

Então garanta que tudo o que oferece tenha eficácia teórica/prática e realmente traga os resultados oferecidos e, em hipótese alguma, prometa algo que não pode garantir os resultados, seja em anúncios ou durante o atendimento. 

10 – Escolha do nome da clínica

Empreender é uma forma que muitas pessoas encontram para garantir o seu desenvolvimento profissional e financeiro, assim, mediante situações difíceis, muitos optam por criar o próprio negócio.

No caso dos profissionais de fisioterapia é uma possibilidade trabalhar como autônomo ou em parceria com outros profissionais, criar um espaço de reabilitação e oferecer diferentes serviços voltados para a recuperação e manutenção de pessoas debilitadas.

Essas parcerias podem acontecer entre colegas de profissão ou entre pessoas com qualificações profissionais diferentes e, nesse caso, é importante ficar atento na hora de pensar no nome da clínica ou consultório.

Digo isso pois, segundo o código de ética a expressão “fisioterapia” e suas derivações somente podem integrar nome ou razão social da empresa da qual participe (com registro no contrato social) um  fisioterapeuta como proprietário ou sócio. 

11 – Valor de mercado

Em início de carreira é comum o profissional oferecer serviços por valores mais baixos que os do mercado, até que ele adquira certa experiência e estabeleça seu nome como sinônimo de qualidade e sucesso, porém essa prática não é adequada segundo o código de ética dos fisioterapeutas.

O Referencial Nacional de Procedimentos Fisioterapêuticos é um documento que estabelece valores mínimos a serem cobrados pelos serviços relacionados à fisioterapia, e os regulamentos da profissão exigem que eles sejam respeitados.

Qualquer outro profissional da área que se sinta lesionado por valores abaixo do mercado pode formular uma denúncia, o que resulta em penalidades. Então fique atento, não use desse artifício em sua propaganda para se estabelecer profissionalmente, use a criatividade (dentro dos padrões impostos) e foque em um bom atendimento, dessa forma seu espaço será conquistado naturalmente. 

12 – Gratuidade nos serviços

Assim como não é adequado ao fisioterapeuta oferecer serviços abaixo dos preços estabelecidos, também não é correto oferecer serviços gratuitos para atrair clientes. Segundo o código de ética somente é permitido essa prática nas seguintes situações:

  • quando o paciente é ascendente, descendente, colateral, afim ou pessoa que viva sob sua dependência econômica; 
  • para algum colega ou pessoa que viva sob a sua dependência econômica, porém é indicado que sejam cobrados os materiais utilizados;
  • para pessoas comprovadamente carentes ou em situação de pobreza extrema. 

Sendo assim, na sua publicidade não use de artifícios promocionais que oferecem sessões gratuitas, caso ocorra uma denúncia ou fiscalização você pode vir a ter  problemas.

13 – Atendimento não presencial

Com o desenvolvimento da tecnologia é natural que todas as profissões sofram modificações, melhorando aspectos e trazendo funções que não eram possíveis por falta de ferramentas adequadas. A área de saúde também acompanha esse desenvolvimento. Hoje contamos com inúmeros aparelhos e tratamentos que no passado estavam apenas na imaginação.

A forma como os atendimentos são realizados também está evoluindo. Na medicina, por exemplo, temos o teleatendimento, um sistema já existe há muito tempo, mas só foi regulamentado recentemente aqui no Brasil. Ele possibilita chegar em regiões distantes onde o atendimento convencional pode não ser tão simples pela falta de profissionais devidamente qualificados.

É claro que regras rígidas devem ser seguidas, mas no caso da medicina essa já é uma realidade. Porém aqui estou falando sobre os profissionais de fisioterapia e as regras para a profissão são outras. De acordo com as normas estabelecidas os fisioterapeutas não estão autorizados a dar consulta ou prescrever tratamento fisioterapêutico de forma não presencial.

Assim, somente são permitidas as consultas presenciais, sendo descartada a possibilidade de teleatendimento na fisioterapia. Mas o que isso tem haver com publicidade? O ponto aqui é deixar claro que criar grupos online com o intuito de diagnosticar e tratar pacientes não é permitido, então não ofereça esse tipo de serviço e nem crie publicidade a este respeito.

Capítulo 3

Fique ligado também nas regras do CREFITO

As normas faladas até aqui são de nível federal, regidas pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO), então elas valem para todo o Brasil. Porém, cada região possui seu Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (CREFITO), contendo regras específicas. Isso significa que o fisioterapeuta precisa estar atento para todas as normas, tanto federais quanto regionais. 

Ao todo são 18 CREFITOS espalhados por diferente regiões do Brasil, clique aqui e veja uma lista com o endereço, telefone e site de cada de cada um deles. 

Respeitar todas as normas é garantia de sucesso, te permite trabalhar sem problemas, e irá te ajudar na construção de uma carreira sólida e que deixa clara sua seriedade.

Gostou desse conteúdo? Tem alguma pergunta? Deixe sua dúvida nos comentários!